sábado, 26 de janeiro de 2013

ENTREVISTA A ANDRÉ CHEE



O super carismático André Chee é dono de um look super cool e contemporâneo. 
Alia a sua beleza única à inteligência, o que o torna um dos modelos mais interessantes do panorama nacional da Moda. Com o seu dia a dia sempre ocupado  entre a escrita da sua Tese, trabalha na Nokia Siemens Networks como engenheiro de Telecomunicações, está a aprender Mandarim, Russo e ainda assim tem tempo para ser um dos mais requisitados manequins nacionais. 
Depois de ter desfilado para nomes como Dino Alves, Os Burgueses, Ricardo Dourado, ser capa de revistas e fazer contínuos editoriais, the sky is the limit, para André. Mas com os pés bem assentes na terra, respondeu a esta entrevista:



THERAPA by CHARLY: Como começou a tua carreira de manequim?
ANDRÉ CHEE: Comecei em 2009, quando a minha irmã me tirou uma foto às 4:00 da manhã e enviei via online para uma agência. Fui influenciado porque já conhecia algum trabalho de um dos manequins que ainda hoje é das minhas maiores referências, Bruno Rosendo, devido à sua postura, atitude, profissionalismo e qualidade de trabalho a nível nacional e internacional. Era (e é) simplesmente completo no que faz.

THERAPA by CHARLY: Qual foi o teu primeiro trabalho? Partilha connosco como foi essa experiência.
ANDRÉ CHEE: Fiz Moda Lisboa e comecei logo com o desfile do estilista Ricardo Andrez. Estava nervoso no desfile e tinha milhares de bolinhas na cara e tronco. Foi emocionante e senti que tinha subido um degrau no mundo da Moda.


THERAPA by CHARLY: O que preferes, Editoriais, Video, Desfiles? Porquê?
ANDRÉ CHEE: Gosto de tudo em geral, e sempre tentando ser cada vez melhor, afinando sobretudo pequenos detalhes. Desfilar dá-me uma adrenalina e alegria que desfruto bastante mas é no editorial que cada vez me estou a tornar mais sólido e versátil e isso agrada-me, o saber conseguir evoluir.

THERAPA by CHARLY:  Que características da tua personalidade é que achas que te ajudaram a tornar um dos manequins mais requisitados, atualmente, no panorama nacional?
ANDRÉ CHEE: Ser simpático, humilde, ser profissional ao máximo faz parte de mim. Tento também meter sempre as pessoas, que me rodeiam, à vontade pois tudo se torna mais fácil.

THERAPA by CHARLY: Há algum jovem designer que te desperte interesse e que sintas curiosidade em seguir o seu percurso?
ANDRÉ CHEE: Existem muitos, gosto de ver os desfiles dos novos criadores no Moda Lisboa e no Bloom (Portugal Fashion). Existe muito potencial. Tenho especial atenção com Ricardo Andrez, Vitor , Os Burgueses e Say Myname.

THERAPA by CHARLY: Se pudesses escolher trabalhar com qualquer pessoa no Mundo (morto ou vivo), quem seria?
 ANDRÉ CHEE: Sem dúvida, o engenheiro Nikola Tesla. Ele teve uma vida muito complicada a nível financeiro e emocional e no entanto revolucionou o mundo sobretudo na engenharia e teve que fazer muitos trabalhos, que não queria, para os rivais directos.Teve que batalhar muito e conseguiu reconhecimento apenas 60 anos depois da sua morte e ainda hoje tem patentes dele a serem desenvolvidas..How cool is that? Sinto muita empatia pelo seu modo de ver a vida e faço uma analogia para todas as áreas onde me meto: deixar uma marca minha que perdure. Em Moda gostava de trabalhar com a Kate Moss e as razões são óbvias.




THERAPA by CHARLY: Paralelamente ao teu trabalho como modelo, trabalhas em contabilidade desde os 15, estas a terminar a tua tese, és jogador de poker, ouvi também dizer que estás a aprender mandarim. É por uma questão de raízes, curiosidade ou um trunfo para apostares no mercado internacional como profissional?
ANDRÉ CHEE: Trabalho hoje em dia também na Nokia Siemens Networks, como engenheiro de Telecomunicações e a escolha do Mandarim é devido à vertente financeira e cultural futura devido à sua importância no mundo actual: os chineses têm poderio de investimento e é sempre uma mais valia saber línguas. No entanto é a língua Russa que mais me fascina e também estou a aprender.

THERAPA by CHARLY: Até aqui, creio que os leitores já chegaram à conclusão que os estereótipos que questionam a capacidade cognitiva dos manequins estão desatualizadas. Qual é para ti o preconceito mais erróneo do mundo da Moda?
ANDRÉ CHEE: Não acredito no conceito que as pessoas sejam “burras”. Apenas acho que certas pessoas necessitam de trabalhar mais para atingir certos patamares. Mas isso existe na Moda e em todas as áreas. Esse preconceito de inteligência e o uso de drogas pesadas durante os desfiles são dos preconceitos errados a meu ver.





THERAPA by CHARLY: Que músicas andas a ouvir ultimamente?
ANDRÉ CHEE: Bloc Party, Smashing Pumpkins, David Fonseca, Sigur Rós.

THERAPA by CHARLY: Último filme que viste? Recomendas?
ANDRÉ CHEE: Cloud Atlas, recomendo vivamente até porque é um filme muito mas muito inteligente e é “genre-breaking”… não se sabe bem se é bem drama, fantasia, sci-fi.. mas não vai agradar a todos.

THERAPA by CHARLY: A tua vida é tudo que desejarias?
ANDRÉ CHEE: Sou muito ambicioso e nem de longe estou onde quero estar e dificilmente irei dizer que não desejo cada vez algo mais. Há sempre áreas novas para se explorar, aprender e sobretudo ser-se bom nisso é um desafio que me agrada e esse será sempre o meu objectivo, nem que seja, trabalhando dez vezes mais que os outros para o atingir.

E como já vem sendo habitual a cada convidado, uma ilustração feita por mim.
Obrigada André!



Até breve. See you soon.
Charly

Photos: Jack Malipan
Dsection Magazine

1 comentário:

  1. Estás a superar as expectativas! Parabéns, também, ao entrevistado!

    ResponderEliminar